domingo, 20 de novembro de 2011

A Bela Adormecida no Bosque


            O imperador dos turcos, Tamerlão I, e a rainha, sua mulher, desesperaram-se por não ter filhos. Já estavam de todo sem esperança, quando veio ao mundo uma interessante filhinha.
            Foi indizível a alegria dos pais, e decretaram-se festejos pomposos para celebrar o nascimento da pequenina, e o seu batizado, dias depois.
            As fadas do país foram convidadas para a festa, mas, por esquecimento, ou pela pouca importância que lhe davam, esqueceram de mandar convite a uma delas, feira e velha.
            No dia do batizado compareceram todas, e vaticinaram à jovem Ires todas as felicidades, desejando-lhe formosura, beleza, fortuna, bondade, talento, um noivo rico.
            Quando a última acabou de falar, apareceu a velha fada, que exclamou:
− A boda e batizado não vá sem ser convidado... Mas eu vim, porque também quero fazer o meu presente à jovem Ires. Desejo que, quando chegar à idade de dezesseis anos, pique a mão num fuso, do que morrerá.      
            Ficaram todos consternadíssimos com tal profecia.
            Uma fada, porém, que já conhecia quando era perversa sua má companheira, e imaginando que seria capaz de alguma partida, havia se escondido, e surgiu depois dela.
            − Falo eu ainda, que nada ofereci à princesa. Não tenho poder pra destruir completamente o mau agouro da minha colega, mas m=posso modificá-lo Ires não morrerá, mas há de adormecer durante cem anos, até que um príncipe e formoso venha despertá-la, casando-se com ela. 
            Tamerlão I baixou imediatamente um decreto, proibindo, sob pena de morte, o uso da roca e do fuso.
            Ires cresceu, cheia de bondade, formosíssima, espirituosa e querida de todos.
            Um dia, porém, quando já havia feto dezesseis anos, andando a passear pelo campo, entro numa choupana habitada por uma velhinha, que se achava fiando, por ignorar o édito imperial.
            Curiosa daquilo que nunca tinha visto, pediu para ver o fuso, e sem jeito nenhum, picou-se no dedo. Caiu para trás, desfalecia.
            O rei lembrou-se da profecia, e vendo que todos os esforços e cuidados eram inúteis para despertá-la, mandou que transportassem para o palácio.
            A boa fada, que destruiu em parte o encanto da bruxa, apareceu. Preveniu que, devendo ela dormir um século, ao despertar ficaria triste, não conhecendo mais ninguém.
            Usando o seu poder, transformou fidalgos, lacaios e criados, o rei e a rainha, em estátuas de mármore.
            Em torno do palácio cresceu um matagal tão espesso, tão cerrado, que o majestoso edifício não podia ser visto da estrada.
            Decorreram cem anos.
            Ires continuava a dormir, conservando sempre as mesmas faces cor-de-rosa, lábios vermelhos e cabelos louros.
            Um dia o filho de um rei, que então governava os turcos, andando a caçar, avistou casualmente no meio do bosque, as elevadas torres do palácio.
            Perguntou o que era, e ninguém sabendo informar, embrenhou-se com afoiteza pela floresta, cujos ramos se abriam para deixá-lo passar.
            Avistou o palácio, que se conservava no mesmo estado, e ficou estupefato perante a beleza do que via, admirando-se das estátuas de mármore – umas sentadas, outras deitadas, em atitude de conversa, algumas.
            Entrou pelas salas a dentro, e, quando chegou ao quadro da princesinha, ficou deslumbrado.
            Assim que se aproximou, a formosa jovem falou-lhe muito naturalmente:
            − Tardaste tanto, príncipe! Há muito que te esperava
             Havia terminado o encanto.
            Todo o palácio acordou daquele longo sono de cem anos.
            Tamerlão e sua mulher, que julgavam ter sabido do desmaio da filha poucos minutos antes, ficaram admirados vendo-a conversar com um estrangeiro, vestido inteiramente fora da moda, que não conheciam.
            Mas a boa fada apareceu e explicou o que se havia passado.
            O casamento de Ires com o príncipe Heitor efetuou-se um mês depois, com um brilhantismo que hoje não existe, nem mesmo nos países do Oriente.

Figueiredo Pimentel

1.º) Tudo ia muito bem no reino de Tamerlão I.
a) O que complicou a história? ______________________________________­­­­­­­­­­­__
b)Qual foi a causa dessa complicação?  _________________________________

2.º) Duas pessoas ajudaram na solução: a boa fada e príncipe Heitor.
a) Fada: o que ela fez? _______________________________________________
b) Príncipe Heitor: o que ele fez? ______________________________________

3.º) Nos contos de fada o final é sempre:
(    )   Uma desgraça.

(    )    Um casamento.

(    )   Um final feliz.


4.º) Como foi o final desse conto?
a) O príncipe: o que ele fez?

b) A princesa: o que ela fez?

c) O que aconteceu depois?


5.º) Personagem principal:
a) Como se chama a personagem principal?


b) Por que ela tem esse nome?

6.º) Liste as 5 personagens na ordem em que aparecem na história. Diga o que elas fazem de importante:

Personagem
O que elas fazem na história
Tamerlão I










7.º) A boa fada transformou fidalgos, lacaios e criados, o rei e a rainha, em estátuas de mármore. Por quê?


8.º) Algumas personagens na história têm poderes especiais. Quais São esses poderes?
Personagem
Poderes especiais
Velha fada

Fada boa

Heitor


9.º) Como você sabe que a história da Bela Adormecida é uma história de ficção?


10.º) Contos de fada são contos populares, inventados pelo povo. Por que as pessoas gostam de inventar e contar esse tipo de história?

(     )   Para passar tempo

(     )   Para dizer como era o mundo de antigamente.

(     )  Para ensinar uma mora (como devem ser as coisas).

11.º) A moral desta história é:

(     )   Nunca se esqueça de convidar todas as fadas para um casamento real.

(     )  O bem acaba prevalecendo sobre o mal.

(     )    A jovem acordou porque o príncipe era muito bonito.

(     )   É importante ter fadas boas perto de um reino.

12.º) Ficha das personagens

Fada boa
Fada má
Bela Adormecida
Nome:



Onde mora:



O que faz:



Sinais particulares:



Caráter:




13.º) A bruxa má desejava o pior para Ires. Veja o que ela disse: “Eu desejo feiúra pobreza maldade falta de talento e um noivo pobre”.
a) Reescreva a frase colocando vírgulas onde faltar:


b) As palavras Tamerlão, Ires e Heitor estão escritas com letras maiúsculas no texto. Por quê?


14.º) Coloque a pontuação nas frases deste diálogo:
- Sua filha vai morrer aos 16 anos
- Mas você não pode fazer isso
- Posso e vou - disse a bruxa má
- Não vai eu vou modificar o seu mau agouro

15.º) Coloque acento onde faltar:
a) A velha fada não gosta de ninguém.
b) Um dia, porem, a princesa dormiu.
c) A velha fada tambem deu o seu presente.
d) A princesa, alem de tudo é bonita.
e) NO batizado, todos as fadas deram os parabens.

16.º) Coloque acento onde faltar:
a) A ultima a falar foi a fada malvada.
b)A princesa era formosissima, lindissima, espirituosissima.
c) Todos viraram peças de marmore.
d) Dormiram durante um seculo.
e) O principe não dormiu.
f) A rainha acordou por ultimo.

17.º) Quais dessas frase você usaria para começar um conto de fadas?

(    )   Numa bela manhã de sol...

(    )   Num antigo castelo vivia...

(    )   Uma raposa sentada...

(    )    Era uma vez...

(    )    Num castelo muito antigo...

(    )   Um dia...

0 comentários:

Postar um comentário